quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

WATAIN - Trident Wolf Eclipse


Ano: 2018
Tipo: Full Length
Selo: Century Media Records
Importado


Tracklist:

1. Nuclear Alchemy
2. Sacred Damnation
3. Teufelsreich
4. Furor Diabolicus
5. A Throne Below
6. Ultra (Pandemoniac)
7. Towards the Sanctuary
8. The Fire of Power
9. Antikrists Mirakel


Banda:


Erik Danielsson - Vocals, baixo
Pelle Forsberg - Guitarras
Håkan Jonsson - Bateria


Ficha Técnica:

T. Stjerna - Gravação, mixagem, masterização
Oik Wasfuk – Arte de capa e contracapa
Ketola - Artwork
E. - Artwork adicional, layout, caligrafia
Attila Csihar - Vocais adicionais em “Ultra (Pandemoniac)”
H. Death - Guitarra solo em “Ultra (Pandemoniac)”
A. Lillo - Músico convidado
Set Teitan - Músico convidado


Contatos:

Twitter:
Assessoria:

E-mail:

Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


As bandas de Metal possuem dois direcionamentos: ou elas se tornam enraizadas em torno do próprio estilo e evoluem pouco em termos musicais durante suas carreiras (o que não chega a ser algo ruim, bastando observar os exemplos do AC/DC e do MOTORHEAD para chegarem a esta conclusão), e aquelas em que a evolução é a força motriz do trabalho. Mas existem casos das bandas do segundo grupo que, por algum motivo, preferem retroceder. E esse é o caso do grupo sueco WATAIN. Toda a evolução que mostraram em “The Wild Hunt” está ausente em “Trident Wolf Eclipse”, o recém-lançado disco do trio.

Basicamente, o trio resolveu dar uma rebuscada em seu jeito cru e brutal de fazer Black Metal, lembrando um pouco o que fizeram em “Casus Luciferi” (2003) e “Sworn to the Dark” (2007). Está mais direto e ardente como antes, limando toda e qualquer evolução. Mas não entendam mal: “Trident Wolf Eclipse” é um disco excelente, mas há momentos em que se percebe que a banda se forçou a soar como em seu passado, que os famosos “mimimis” dos fãs chegaram aos ouvidos deles. Há momentos inclusive que melodias soturnas surgem, como se pode ouvir em “A Throne Below”, alguns toques Thrash/Black à lá DESTRUCTION e SODOM aqui e ali. Está ótimo, mas não é tudo que o WATAIN pode oferecer.

Basicamente, o time que trabalhou na produção do disco é o mesmo de sempre. Isso garantiu que o resultado sonoro fosse algo com a qualidade que a banda atingiu em “Lawless Darkness” e “The Wild Hunt”, ou seja, agressivo e ríspido, mas bem feito. A crueza do som vem dos tons instrumentais escolhidos, permitindo assim que os ouvintes compreendam o que a banda está fazendo. Óbvio que certo abafamento que se ouve é proposital, mas dar aquela ambientação crua e opressiva característica da banda.

Em termos de arte, a capa já mostra o que o disco tem musicalmente: uma volta às raízes musicais.

Bruto e agressivo, mesmo tendo recuado em termos evolutivos, “Trident Wolf Eclipse” ainda mostra o quanto o WATAIN tem tudo para ser um dos nomes fortes do gênero, uma liderança forte, pois apesar de mais simples, é justamente dessa forma que se percebe o talento do grupo, o que o diferencia de tantos.

A sedutora e brutal “Nuclear Alchemy” com seus riffs crus e mudanças de ritmo providenciais, o assalto opressivo de baixo e bateria mostrado em “Sacred Damnation”, a força cadenciada de “Teufelsreich” (excelente trabalho de baixo e bacteria, criando uma base rítmica segura e bem trabalhada), a ultra-agressiva “A Throne Below” e seus excelentes vocais (bem como suas belas melodias sombrias e o bom trabalho de baixo), os arranjos simples e eficazes de “Ultra (Pandemoniac)” e de “The Fire Power” formam a espinha dorsal de um dos grandes discos de Black Metal do ano.

É bom se prepararem, pois o WATAIN está de volta para causar caos e destruição, bem como para pulverizar ossos, pescoços e ouvidos!

Nota: 93%