sexta-feira, 22 de setembro de 2017

ROTTING CHRIST - Abyssic Black Cult (Compilação)


2017
Nacional

Nota: 10,0/10,0

Tracklist:

Satanas Tedeum (Demo 1989):

1. The Hills of the Crucifixion
2. Feast of the Grand Whore
3. The Nereid of Esgalduin
4. Restoration of the Infernal Kingdom
5. The Sixth Communion

Ade’s Wind (Demo 1992):

6. Fgmenth, Thy Gift
7. The Fourth Knight of Revelation (1 & 2)

Snowing Still (Promo 1995):

8. Snowing Still
9. One With The Forest
10. The Opposite Bank


Banda:


Necromayhem (Sakis Tolis) - Guitarras, vocais
Mutilator (Jim Patsouris) - Baixo
NecroSauron (Temis Tolis) - Bateria


Convidados:

Morbid (A.K.A. Magus Wampyr Daoloth, George Zacharopoulos) - Teclados em “Fgmenth, Thy Gift” e “The Fourth Knight of Revelation (1 & 2)”


Contatos:

Bandcamp:
Assessoria:


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Existem nomes no cenário que sempre causam um tumulto quando lançam algo novo. Mesmo no underground, alguns nomes notórios tem um enorme apelo junto aos fãs. Especialmente quando falamos em Black Metal, poucas bandas causam tanta excitação como o grupo grego ROTTING CHRIST. E em uma iniciativa toda da Heavy Metal Rock, chega a nossas mãos a compilação “Abyssic Black Cult”, totalmente nacional e que tem alguns trabalhos antigos da banda que ainda são inéditos por aqui.

No caso, “Abyssic Black Cult” trás em si as Demos “Satanas Tedeum” de 1989 (5 canções), “Ade’s Wind” de 1992 (2 canções) e “Snowing Still”, uma Promo da banda de 1995 (3 canções). Esse material, embora não seja de todo novo, são raros e de difícil aquisição. E a Heavy Metal Rock bancou o desafio e criou esta compilação. Sim, ela é exclusiva do Brasil, não possui versão importada. E uma vantagem extra: como as Demos estão no CD em ordem cronológica, podemos perceber como o grupo foi evoluindo de algo cru e tenebroso (e com certa influência do Death Metal) para algo mais elaborado e bem feito, mas ainda sinistro e atmosférico, sem perder sua essência.

Obviamente, a qualidade sonora é bem crua no material de “Satanas Tedeum” e “Ade’s Winds”, e melhora em “Snowing Still”. Óbvio que a compreensão do que a banda está tocando não fica comprometida pela qualidade da gravação, mesmo porque esse material todo é do final dos anos 80 e da primeira metade dos anos 90, quando o acesso a gravações de ponta era custeado em parte (ou totalmente) por gravadoras independentes. E estamos falando de uma banda pioneira de Black Metal, uma das primeiras a ter um contrato com um grande selo (no caso, a Century Media, que se a idéia deste autor está certa, foi conseguido pelo Promo “Snowing Still”). Mas voltando a falar da gravação, se não é perfeita, é honesta e transparece o que a banda pôde fazer naqueles tempos.

A arte é um atrativo à parte. E capa é uma gravura da “Divina Comédia”, já bem conhecida, mas o encarte possui as letras e artes de cada uma das Demos devidamente adaptada, bem fiéis ao que já conhecemos (especialmente a de “Satanas Tedeum”, que muitos conhecem a arte do CD prensado, e não a original em Tape). Inclusive a arte de “Snowing Still” foi usada em versões mais atuais de “Triarchy of the Lost Lovers”.

Musicalmente, o ROTTING CHRIST mostra em cada trabalho como é capaz de evoluir, mas mantendo sua fidelidade às suas raízes musicais. Mesmo nos primeiros passos, em 1989, já dava sinais que chegaria ao ano de 1995 mais evoluído, e consensual com tudo que eles fizeram musicalmente. Esse material é cru e bem agressivo, mas já mostra a aura mórbida e enegrecida do grupo.

Em “Satanas Tedeum”, a sonoridade é evidentemente crua, com a banda ainda carregando muitas influências de Death/Black Metal dos anos 80, embora as linhas melódicas soturnas que moldarão o conhecido “Athenian Black Metal” já estejam claras em “Feast of the Grand Whore”, “The Nereid of Esgalduin” e em “The Sixth Communion”. Já em “Ade’s Wind”, surge aquela sonoridade mais mórbida e climática que serão conhecidas nos discos iniciais da banda, especialmente o “Thy Mighty Contract”, uma vez que “Fgmenth, Thy Gift” e “The Fourth Knight of Revelation (1 & 2)” farão parte do disco em versões mais bem acabadas (sim, existem pequenas diferenças que podem ser notadas nessas versões mais cruas). Já as canções de “Snowing Still” mostram uma musicalidade mais coesa e limpa, com melodias mais próximas ao Heavy Metal tradicional que afloram no “Triarchy of the Lost Lovers”, tanto que as canções “Snowing Still”, “One With The Forest” e “The Opposite Bank” fazem parte do disco (embora não cheguem a ser hinos para os fãs do grupo, como o são “King of a Stellar War” e “The First Field of the Battle”). Repetindo: em “Abyssic Black Cult”, você realmente tem uma visão ampla do quanto o ROTTING CHRIST evoluiu com o tempo, bem como foi importante para construir a sonoridade do Black Metal grego.

Desta forma, tanto por ser algo exclusivo para o mercado brasileiro como pela importância histórica, e pelo ineditismo dessas Demo Tapes no Brasil, “Abyssic Black Cult” é um disco obrigatório.

Eternamente NON SERVIAM!