sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

WORSIS - Blinded by the System


Tipo: Full Length
Ano: 2017
Selo: Independente
Nacional


Tracklist:

1. Sisyphus
2. País Sem Leis
3. Echoes of Pain
4. False God
5. Slaves of Corruption
6. What Remains of the Future?
7. Still Resisting
8. Under Mud
9. Facing the Worms
10. Manipulados Pelo Sistema
11. Born to Bleed


Banda:


Álvaro Jr. - Vocais, guitarras
Lucas Barros - Guitarras
Eduardo Mazui - Baixo
Ale Mussatto - Bateria

Convidados:

Thiago Caurio - Percussão em Facing the Worms


Ficha Técnica:

Thiago Caurio - Produção
Benhur Lima - Mixagem
Marcel Van Der Zwam - Masterização
Hugo Silva - Arte
Álvaro Jr. - Design


Contatos:

Site Oficial:
Twitter:
Bandcamp:
Assessoria: http://www.metalmedia.com.br/worsis/ (Metal Media)


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


A escola brasileira de Thrash Metal anda rendendo frutos muito bons nos últimos anos. Desde que o estilo começou a ser feito por aqui, ainda na primeira metade dos anos 80, muita coisa foi mudando, evoluindo e se ajustado ao tempo. Quando se fala em modernidade, muitos torcem o nariz, pensando nas fusões de Thrash Metal com Groove, mas não é isso. É uma forma mais atualizada e agressiva de se fazer Thrash Metal, e que é diferente do que se fazia nos anos 80. E um ótimo exemplo é o quarteto WORSIS, de Ipê (RS), que veio para detonar pescoços com seu primeiro disco, “Blinded by the System”.

Furioso e bruto, mas com boa técnica e harmonias bem feitas, o quarteto muitas vezes referindo um ritmo mais cadenciado e azedo de tão agressivo, mas em outra com ritmo mais rápido e ganchudo. Percebe-se que a juventude do grupo (que foi formado em 2014) não significa ingenuidade, pois “Blinded by the System” é um disco de gente grande, feito com raça e muita vontade, a ponto da energia que flui dele ser absurda.

Em termos de sonoridade, se percebe que o foco foi em criar algo que fosse agressivo e que fizesse com que as composições do grupo fossem entendidas sem esforços. A meta foi alcançada, mostrando ótimos timbres em cada instrumento, e tudo em seu volume certo. Além disso, o lado visual ficou muito interessante, com uma arte que deixa claro o teor lírico do grupo.

Destilando raiva e Thrash Metal em 11 canções, se percebe que o grupo tem potencial para ir longe. Isso fica claro em canções como a rápida “Sisyphus” e suas guitarras faiscando riffs nervosos e solos bem feitos, “Echoes of Pain” com seus tempos em velocidade mediana e vocais rasgados de primeira, na pegada mais cadenciada e opressiva de “False God” (que riffs raçudos e que grudam nos ouvidos), na energia crua da veloz “Slaves of Corruption” (onde baixo e bateria aplicam um massacre de boa técnica e peso), nas ótimas melodias que permeiam o ritmo denso de “What Remains of the Future?”, na pegada esmaga-crânios de “Under Mud” com suas melodias sombrias, e na opressão brutal feita pela esmagadora “Born to Bleed”.

O WORSIS é uma grata surpresa, e uma revelação e tanto do Metal brasileiro.

Nota: 84 %