quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

LA RAZA - Bem Vindos a La Raza


Tipo: Full Length
Ano: 2017
Selo: Independente
Nacional


Tracklist:

1.      Bem Vindos a La Raza
2.      Na Contra Partida
3.      /Quem?
4.      Atrás de um Sonho
5.      O Bem
6.      Virar o Jogo
7.      O Dia em Que o Pai Chorou
8.      Pra Onde Seguir?
9.      Caos da Paz
10.  Cai Dentro


Banda:


Alex Panda - Vocais
Ticana - Guitarras
Juninho - Baixo
Daimon - DJ
Matricardi - Bateria
  
Convidados:

Badauí - Vocais
Caio MacBeserra - Vocais
Xis - Vocais


Ficha Técnica:

Baffo Neto, Guilerme Steiner, La Raza - Produção, mixagem
Dani Pampuri - Mixagem, masterização
Diego Rabujah - Capa
Xtudo Obze - Layout


Contatos:

Twitter:
Bandcamp:
Assessoria: http://www.hoffmanobrian.com.br/ (Hoffman & O’Brian)


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Para alguns fãs mais radicais, a versatilidade do Hardcore poderia soar algo um pouco fora de dos princípios musicais do gênero. Mas é fato que após a diversificação ocorrida no final dos anos 90, tal qual uma árvore, o Hardcore ganhou ramos bem distintos, mas sempre mantendo os elementos mais seminais, como a agressividade musical e a acidez lírica. Por isso, ao lidar com uma banda como LA RAZA, é preciso ter em mente que ela é fruto de toda uma evolução musical. E, além disso, verdade seja dita: “Bem Vindos a La Raza” é um disco excelente!

A fúria do Hardcore e aqueles corais característicos estão presentes, a presença de riffs simples e bem feitos, e aquela fúria nas letras são todos elementos presentes. Mas ao mesmo tempo, claras influências de Rap, Hip-Hop, toques de Funk/Soul estão presentes, além de scratches. Agressivo, cheio de Groove e musicalmente diversificado, é nisso que se baseia a música do quinteto. E verdade seja dita: não falta energia, e é impossível ficar parado!

Muito bem cuidada foi a produção sonora de “Bem Vindos a La Raza”. Tudo soa limpo e claro, sem estar confuso. Mas nem por isso soa menos agressivo, muito pelo contrário, já que o carrego sonoro do HC está presente em todos os momentos. Óbvio que há momentos em que a música do grupo soa acessível aos menos acostumados (como se ouve em “Atrás de um Sonho”), mas isso mostra como o quinteto é extremamente versátil em termos musicais.

A arte é muito legal. A imagem da banda que fica é de um grupo que, apesar de toda sua militância social, tem uma aura divertida, algo que anda meio fora de moda nos dias de hoje, mas que ficou ótimo.

Nas canções de “Bem Vindo a La Raza”, se percebe que o quinteto não é um grupo de ficar preso a uma musicalidade só. Usando elementos dos estilos citados acima, a música do grupo se torna única e diferente, empolgante e capaz de desencadear pogos infindáveis. E percebam que essa diversidade de influências exige que existam arranjos bem dinâmicos, o que é encontrado em profusão, mesmo em músicas curtas (uma média de 3 minutos de duração cada uma).

E os caras são raçudos!

Percebam que “Bem Vindos da La Raza” é um disco ótimo do início ao fim, se destacando (para mera referência) a ótima e acessível “Bem Vindos a La Raza” e sua levada melodiosa (que riffs e vocais bem construídos, além de um refrão simples), a funkeada e cheia de groove “Na Contra Partida” (baixo e bateria se exibem em termos técnicos, mas mantendo uma base rítmica compacta), as melodias de fácil assimilação em uma canção altamente grudenta que é “Atrás de um Sonho” (que letra legal, além de vocais de primeira), a também acessível “O Bem” (embora o refrão seja um murro nos ouvidos), a energia ais crua mostrada pelas guitarras em “O Dia em Que o Pai Chorou”, o peso denso de “Pra Onde Seguir?”, e a porrada entremeada de scratches de “Cai Dentro”.

“Bem Vindo a La Raza” veio ao mundo no dia mundial do Rock de 2017, demorou um pouco para ganhar sua versão física, mas aí está. E se preparem, pois o quinteto vai conquistar muitos!

Nota: 88%