sábado, 11 de novembro de 2017

JEV - Jev (Álbum)


2017
Nacional

Nota: 9,0/10,0

Tracklist:

1. The Racing
2. Driver
3. Move it On
4. Syren
5. Wildest Youth
6. Your Look
7. When is Love
8. Heaven
9. Over This Time
10. Everytime I’ll Loose my Mind (Long Live Rock and Roll)


Banda:


Hebert Davis - Vocais
Cleiton Soman - Guitarras
Allan Tavares - Baixo
Jéssica Alessandra - Bateria


Contatos:

Twitter:
Instagram:
Bandcamp:
Assessoria:

E-mail:

Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


De alguns anos para cá, o Hard Rock/Glam Metal parece estar retornando com toda força pelo mundo todo, em especial na Europa. Mas como é legal saber que os ecos de tal renascimento estão chegando ao Brasil e trazendo uma nova geração de bandas do estilo por aqui. E de São José dos Campos (SP), lá vem o quarteto JEV, descendo o malho em seu primeiro disco, “Jev”.

Sim, é Hardão de primeira à lá SKID ROW, com toda aquela carga pesada e intensa, mas óbvio que existem toques de DEF LEPPARD, KISS e mesmo MOTLEY CRUE em alguns momentos, mas se percebe também que há muitas influências de sonoridades mais modernas na música do grupo. O instrumental é bem pesado e melodioso, mas cheio daqueles toques mais acessíveis e cada refrão que não sai mais da cabeça. E como a música deles flui com energia e espontaneidade. É ouvir e gostar.

Glaubert Ribat cuidou da produção, mixagem e masterização de “Jev”, tendo o vocalista Hebert Davis na co-produção. E a sonoridade do disco soa agressiva e bruta, cheia, justamente o que mostra como o grupo tem uma pegada bem moderna. Mas ela permite que as melodias e arranjos musicais fluam sem problemas. Poderia ser um pouquinho mais limpa e com timbres mais simples, mas está muito bom como está.

O JEV tem como ponto positivo não viver de passado, já que o disco não soa datado ou acumulando clichês dos anos 80. Longe disso, temos que “Jev” tem uma energia jovem, com músicas bem dinâmicas, melodias bem feitas e pesadas, sem exageros técnicos e apostando em canções grudentas. E a energia que transpira das canções vai nos envolvendo facilmente.

O disco é ótimo, mostrando em suas oito músicas muita energia e vida (tendo em mente que “The Racing” é uma introdução, e “Syren” e uma curta faixa feita com efeitos). Mas não destacar o peso melodioso, moderno e grudento de “Driver” com seu refrão marcante e guitarras bem arranjadas, as melodias arrasa-quarteirão e bicuda na porta de “Move it On” e seus vocais de primeira, o trabalho fundamental de baixo e bateria na mais cadenciada “Wildest Youth” (onde o lado mais KISS dos anos 80 fica bem evidente na base rítmica), a beleza sedutora da balada “When is Love”, e a energia mais crua e ríspida que surgem nas melodias de “Over This Time” e “Everytime I’ll Loose my Mind (Long Live Rock and Roll)”.

Um bom disco, mas o potencial da banda, pelo que pode ser percebido, é enorme. Logo, esperemos que “Jev” tenha sucesso e leve o quarteto a um segundo disco.

Aliás, “Jev” pode ser ouvidos nas plataformas digitais abaixo.

Google Play - http://bit.ly/2y8JIxO