terça-feira, 31 de outubro de 2017

Existência em meio ao caos - Entrevista com o TORTURE SQUAD



Por Marcos “Big Daddy” Garcia

Como todos os nomes mais proeminentes do Metal brasileiro, o nome do quarteto paulista TORTURE SQUAD vez por outra está envolto em polêmicas. Mas apesar delas, o disco mais recente do grupo, “Far Beyond Existance” tem sido bem recebido por público e crítica.

Aproveitando o bom momento que a banda está vivendo, aproveitamos para bater um papo com eles e saber um pouco do passado, do presente e planos futuros.
  


BD: Saudações. Antes de tudo, quero agradecer pela entrevista. Para começar, uma curiosidade: após “Esquadrão de Tortura” e “Coup d'État Live”, em que a banda parecia com sua line-up estabilizada, pufff, mudanças de formação, com a entrada de Mayara e Rene. O que aconteceu, afinal de contas?

Castor: O período do álbum “Esquadrão de Tortura” foi um grande aprendizado pra nós em todos os sentidos! Temos muito orgulho dele! Mas eu e o Amilcar sentimos que era hora de voltar a sermos quarteto, a nossa essência, com uma voz que seguisse a fórmula do TORTURE SQUAD.

Amilcar: A gente resolveu voltar com uma voz mais Death Metal novamente e o André foi transparecendo um descontentamento em relação a isso, até que ele saiu e deu lugar ao Rene Simionato, que sempre foi fã da banda e está muito feliz em continuar essa história com o TORTURE SQUAD.


Amilcar Christófaro
BD: Na época, “Return of Evil” veio pouco tempo depois da entrada de Mayara e Rene. Ele seria uma resposta da banda à demanda por algo novo em termos de material, ou uma necessidade de mostrar como a nova formação se encaixara no contexto sonoro do TORTURE SQUAD?

Castor: Foi uma coisa mútua entre a banda e pessoas quererem algo inédito com a formação nova. E ser também uma prévia do que poderia se esperar dessa nova cara do TORTURE SQUAD.

Amilcar: Exatamente.


BD: Após o lançamento de “Return of Evil”, o TORTURE SQUAD se tornou figura comum em festivais e mesmo shows individuais de uma forma que não ocorria antes... Não nesse número! O que mudou? As entradas de Mayara e Rene ajudaram nesse aspecto?

Castor: Acho que não necessariamente por esse fato apenas, quando a banda estava como trio, a agenda de shows estava bem legal também. O que mudou foi os planos da banda nos moldes de fazer turnês pelo Brasil tocando de segunda a segunda, isso foi o que obviamente aumentou a nossa rotatividade de shows, na minha opinião.

Amilcar: Na verdade eles ajudaram a manter o trabalho que a banda sempre teve. A turnê do “Return of Evil” que fizemos em 2016, 28 shows em 32 dias, tocando durante a semana, tendo banda e crew na estrada, assim como a turnê desse ano em um ônibus e etc, era uma coisa que sonhávamos em fazer desde os primórdios, mas que conseguimos fazer somente agora. Conseguimos agora porque é uma evolução do trabalho da banda e não porque é esse ou aquele line up. Se continuássemos como trio iriamos fazer da mesma forma. O TORTURE SQUAD é muito maior do que qualquer um que está ou que esteve na banda.


Castor
BD: Hora de falar da atualidade. “Far Beyond the Existance” caiu como um raio no cenário, causando reações extremas (ou seja, uns amaram, outros nem tanto). Como foi o processo de composição? Todos os integrantes entraram com ideias, arranjos, letras, linhas melódicas?

Amilcar: Como sempre, já tínhamos algumas músicas prontas e assim que a Mayara e o Rene começaram a ensaiar com a banda naturalmente começamos a nos entrosar e colocar as ideias em prática. Todos têm ideias de tudo e particularmente gosto muito disso. E em relação às letras, acho que só não tem do Rene...

Mayara: Nada na música é unânime, sempre vai haver quem goste e quem não goste e essa é a grande sacada. Somos uma banda entrosada e com muita liberdade de composição, as ideias podem partir de qualquer um, assim como há no “Far Beyond Existence”. Você pode notar no encarte que há letras feitas pelo Amilcar, que sendo baterista, não se restringe apenas ao próprio instrumento, e eu como vocalista contribuo com riffs também, há uma introdução com vozes minhas, do Castor e também do Rene... As ideias sempre vão ser trabalhadas em conjunto.

Castor: Sempre escutamos ideias de todos e o processo de composição é bem aberto entre nós, desde o começo da banda é assim praticamente.


BD: De certa forma, o conceito mais central de “Far Beyond Existance” parece remeter diretamente a algo mais sombrio que nos discos anteriores. Existe certa “aura” negra em torno do disco, logo, essa mudança foi intencional, ou mera consequência do processo de composição?

Castor: Não existe conceito neste álbum, mas as letras acabam se encontrando de certa forma.

Buscamos temas bem variados, que vem desde figuras mitológicas ate a heróis modernos como Bruce Lee. O lado sombrio vem do próprio ser humano, que em sua arrogância não consegue enxergar a grandeza do universo!

Amilcar: O tema principal do álbum é relembrar as pessoas que tudo é muito além da existência. Basta você dar uma olhada no céu, olhar a lua, ou olhar uma montanha de centenas de anos, enfim, prestar atenção na natureza e tentar responder as perguntas que lhe vem à cabeça. Se todos fizessem isso, muitos seres humanos chegariam à conclusão de que somos nada mais do que mais uma pequena peça nesse grande jogo incógnita. Fazendo com que eles se colocassem no lugar deles e tomassem um banho de humildade, dando mais atenção a valores que teriam que estar em primeiro plano como a paz, o amor, o respeito, a honestidade. O mundo seria melhor se todos prestassem mais atenção nas lições da natureza.


Rene
BD: Em “Far Beyond Existance”, alguns convidados deram as caras. Dave Ingram aparece em “Hate”, Edu Lane na narração em “Cursed by Disease”, Luiz do Vulcano em “You Must Proclaim”, Marcelo Schevano tocando o velho Hammond em “Torture in Progress”, e Alex Camargo nos vocais “Just Got Paid”. Como é que tiveram a ideia de chamar essa turma, e como foi trabalhar com eles no estúdio?

Castor: Com o David Ingram, o contato veio através da nossa gravadora, Secret Service Records. Somos grandes fãs dele, principalmente na época do Benediction, que é a banda conheço mais dos trabalhos dele. Ele passou pelo Bolt Thrower, que também é uma banda que curto muito. Nós mandamos a gravação do instrumental e letra da música “Hate” pra ele, e então ele gravou as vozes diretamente do estúdio dele na Suécia.

O Edu Lane é um grande amigo de longa data e tivemos a ideia de convida-lo a participar desse som não como baterista, mas fazendo uma narração na música “Cursed by Disease”. Passamos a ideia pra ele e ele captou perfeitamente! Fizemos no estúdio Loud Factory, onde gravamos as cordas e os vocais do álbum, e ele colou lá e rolou de boa!

Na faixa “You Must Proclaim”, temos o Luiz Lousada, vocal do grande Vulcano e Chemical Desaster ele dividiu as vozes com a May. Ele como é de Santos, ficou mais viável ele gravar diretamente de lá. Curtimos a combinação da voz dele com a Mayara!

O Alex Camargo do poderoso Krisiun está em “Just Got Paid”, tributo que fizemos ao ZZTop, que tivemos a honra de ter ele nos vocais. Ele também gravou no estúdio deles aqui em SP.

Em “Torture in Progress”, temos o Marcelo Schevanno, guitarrista do Carro Bomba, Golpe de Estado e Casa das Máquinas tocando Hammond. Gravamos todos juntos ao vivo, clima de jam session, na moda antiga, que se tornou uma grande jam! Esse som foi totalmente gravado no estúdio Orra Meu, onde gravamos toda a bateria do álbum também.

Amilcar: Sempre quando podemos e pensamos numa participação que possa se tornar algo legal e que venha a somar, a gente não mede esforços e tenta fazer acontecer. O Dave Ingram foi pelo contato da Secret Service. O Luiz, dono da label conhece ele e fez o convite, o Dave já conhecia e curte o TORTURE SQUAD, então aceitou. Até numa troca de idéias ele comentou “Your band kick serious fuckin ass man!”, o que fez a gente dar risada de felicidade, porque ele é um puta vocal que cantou no Benediction e no Bolt Thrower, duas bandas que sempre respeitamos. O Edu é um grande amigo das antigas e uma das pessoas que mais admiro na cena. O Luiz, que pra mim é o Batata (risos), é outro que é a cara da cena Metal brasileira. Tocamos muito com o Chemical Desaster na década de noventa e foi aí que cresceu a amizade que continua até hoje. O Schevano hoje é o dono do Rock nacional, né (risos), e teve uma música que veio a ideia de colocar um Hammond, e ele foi a primeira pessoa que pensamos. Toca muito, curti muito a melodia e o clima que ele criou na “Torture in Progress”. E o Alex Camargo, assim como o Max e o Moises, é desde sempre um dos nossos grandes heróis, que hoje tenho o privilégio de poder ser amigo e compartilhas dessa paixão pelo ZZTop, e ter ele cantando essa versão com a gente é extremamente especial.


Mayara
BD: Mesmo gravado e produzido no Brasil, a sonoridade do álbum é ótima, especialmente no que tange baixo e bateria. Como foi trabalhar em cima disso e obter uma qualidade sonora que beira as produções de fora do Brasil?

Amilcar: É uma junção de coisas. Você junta a experiência de cada gravação durante anos, com bons produtores como o Wagner Meirinho e o Tiago Assolini da Loud Factory, que acompanharam todas as pré-gravações, estúdios maravilhosos como do Orra Meu e da Loud Factory, instrumentos de qualidade, com a banda tendo a intenção de querer matar alguém na hora de gravar (risos), acho tudo somado faz a diferença.


BD: Aliás, como surgiu a ideia de gravarem um cover do ZZTop? No início, é bem estranho para quem conhece a versão original, mas não é difícil de acostumar com o enfoque mais esporrento que colocaram nela.

Amilcar: “Enfoque mais esporrento” (risos)... Gostei disso... Todos nós curtimos muito ZZTop, eles são muito verdadeiros na música deles, e posso falar que eu e o Castor conhecíamos ZZTop, mas fomos realmente doutrinados de ZZTop. Quando a gente ia na casa dos Krisiun quando ele mudaram pra São Paulo, no começo da década de noventa, e a gente ficava escutando um som, fumando um, comendo pizza, assistindo luta do Mike Tyson e shows de bandas em VHS. Eis que um dia eles colocaram o ZZTop ao vivo do Rockpalast na Alemanha, estava preto e branco o show ainda, e partir daquele momento o ZZTop me pegou fundo. Então fui conhecendo tudo, tatuei a capa do “Degüello” no braço esquerdo e virou banda do coração. Por isso é muito especial ter o Alex cantando com a gente no álbum, porque envolve todas essas lembranças. É a celebração definitiva de uma consideração e um sentimento muito puro e verdadeiro que sempre tivemos pelo Krisiun, como pessoas e como banda, desde sempre.


BD: Falando em shows: vocês passaram um bom tempo tocando pelo Brasil, tendo a companhia do HATEFULMURDER, RECKONING HOUR e WARCURSED. Como foram os shows e a convivência com as bandas que viajaram com vocês esse tempo todo?

Amilcar: Nos tornamos uma grande família Metal. Um ajudava o outro, um se preocupava com o outro, tudo em prol do mesmo objetivo, e isso foi marcante. Todas as bandas são matadoras e merecem tudo de bom em suas carreiras.

Mayara: Nessa turnê tivemos do nosso lado bandas de altíssimo nível de diversas regiões do Brasil, foi muito especial para mim por ser a primeira turnê onde duas das bandas eram lideradas por mulheres, e não importasse se eram experientes ou estreantes todos vieram com muita garra e isso se manteve do primeiro ao ultimo show. Foi firmada uma grande amizade entre os membros das bandas, essa união foi vital para a boa convivência na turnê. Todos os dias a sensação era de orgulho em estar excursionando com eles, e com certeza são bandas que vão muito longe com seus trabalhos!


BD: Ainda sobre esta turnê: em termos de Brasil, são raras as bandas que conseguem fazer longas turnês, mas vocês fizeram. Qual a chave do segredo?

Amilcar: Não pensar só em você. Pensar no todo. Pensar em como você consegue chegar com a sua banda até onde as pessoas querem te ver sem com que o promotor tenha prejuízo com isso. Pensar em todos os detalhes. Uma tour de 28 shows não envolve somente 1 promotor de show, e sim 28, então isso já traduz que a união faz a força mesmo, e você trabalhando dentro da sua realidade, a tour sendo marcada com bastante antecedência, sendo maciçamente divulgada tanto pela agencia de shows quanto pelos promotores locais, não tem o que dar errado. A cena brasileira é muito forte e o circuito está sendo costurado. Hoje podemos corre o país praticamente inteiro em uma turnê, coisa que a Europa e os EUA têm há anos. Tava na hora de entrar nessa, era um passo a ser dado, um passo evolutivo pra nossa cena, foi dado e hoje é uma realidade. Agora é só todos manterem o trabalho com os pés no chão que não tem o que dar errado.


BD: Mais uma sobre shows: existem planos, algo de concreto, para turnês pela América do Sul, Europa e América Central? Sim, pergunto isso baseado que “Far Beyond Existance” terá lançamento tanto no Chile como no Peru.

Amilcar: Sim. O álbum acabou de ser licenciado para o México e Rússia também, então ele já é o álbum do TORTURE SQUAD com mais licenciamentos pelo mundo. Até agora foi lançado no Brasil e como disse será lançado no Chile, México, Europa e Rússia, então só falta alguns países da América do sul, EUA, Canada, África, Japão e Austrália para completarmos nosso plano diabólico de conquista do planeta (risos).

Foto: Phill Lima

BD: e já que falamos em lançamento, como tem sido a recepção do disco no exterior? A Secret Service Records, selo de vocês, é de fora, logo, como está sendo o feedback? E a Secret Service Records tem atendido às necessidades de distribuição/divulgação a contento de vocês?

Amilcar: Está sendo bom o trabalho deles, pelo menos até agora, tirando o lançamento na Europa que atrasou, eles tem cumprido com tudo e tem feito o melhor para trabalhar com a banda.

Castor: Eles estão acreditando e fazendo tudo o que foi planejado até agora


BD: Bem, é isso. Agradeço pela entrevista, desejo sucesso com o disco novo, e peço que deixem sua mensagem para nossos leitores e seus fãs.

Amilcar: Valeu sempre a oportunidade da gente poder divulgar um pouco mais do nosso trabalho. Espero encontrar todos na estrada!

Castor: Muito obrigado pelo espaço, Big Daddy, sempre é muito gratificante poder ter um espaço pra divulgar nosso trabalho!


Ouça “Cursed By Disease”, música de “Far Beyond Existance”:


Contatos:

Instagram:
Bandcamp: