segunda-feira, 4 de setembro de 2017

MELANIE KLAIN (Modern Metal - Mococa/RJ)


Banda: MELANIE KLAIN

Início de atividades: 2013

Discos lançados: “Análise do Caos” (2016)

Formação atual: Duzinho (vocais), Leandro Violla (guitarras), Chapolin (guitarras), Vic Escudero (baixo), Pedro Bertti (bateria)

Cidade/Estado: Mococa/SP


BD: Como a banda começou? O que os incentivou a formarem uma banda?

Duzinho: Meu sonho sempre foi trabalhar com música. Eu era muito novo quando o Metal atravessou meu caminho com BLACK SABBATH. Eu tinha uns 6 anos em 1989 e tive minha infância regada a MTV dos tempos áureos. Imitava no quarto artistas como Axl Rose, James Hetfield, Kurt Cobain, Chris Cornell, Bruce Dickinson... E isso sempre foi me motivando a ser um vocalista. Encontrando ao longo do tempo outras influencias, eu conheci o Violla em 1998, tínhamos 15 anos e começamos a conversar muito sobre muitas bandas que escutávamos. Ele me apresentou algumas coisas, eu também apresentei a ele e isso veio a somar nossos pensamentos de formar algum projeto. Trabalhamos num power trio de Rock nacional por mais de um ano, onde eu era baterista e ele baixista, mas não era isso que eu realmente queria.

Em 2007 começamos a trabalhar com um projeto nosso, uma banda que desde sempre falamos em criar. Começamos até a já ir compondo músicas, mas não deu pra manter a formação e os trabalhos extras tanto meu quanto do Violla fizeram com que isso se encerrasse no mesmo ano.

Quando juntamos uma nova turma de amigos em 2012, eu comecei a participar dos ensaios de uma banda dele e do Chapolin e pós algumas vezes cantando, Violla me convidou a formar mais uma vez nosso projeto. E convidamos o próprio Chapola pra fazer a segunda guitarra, o baixista que tocava com eles na época e meu primo Pedro na bateria, que sempre me cobrou de fazer algum som num final de semana. Somado isso, eu tinha acabado de assistir um show de uma das maiores influencias minha em particular, o PROJECT46, que fazia tudo o que eu sonhava. Metal pesado, crítico ao sistema e cantado em português.  Estava então formada a MELANIE KLAIN que começou a trabalhar em Janeiro de 2013.


BD: Quais as maiores dificuldades que estão enfrentando no cenário?

Duzinho: Hoje a internet facilitou muito a exposição do trabalho para uma gama maior de pessoas. Porém isso tem que ser feito de forma crescente e profissional. Não adianta apenas soltar as musicas em algum player ou criar uma página em alguma rede social. Você precisa manter o trabalho ativo. E isso custa tempo... Esse fator que normalmente se torna algo difícil de conciliar. Mas temos que manter o pensamento fixo que só com o trabalho é que se mantém o nome em destaque no cenário.

Fora isso, acredito que mesmo trabalhando de forma mais ativa o nome de sua banda, os ouvintes do gênero ainda estão muito presos em suas zonas de conforto em não disponibilizar atenção as novas bandas. Não generalizo, mas isso se torna uma barreira a se superar. Você como banda, não pode fazer com que as pessoas engulam a baixo o seu trabalho. Mas ficar esperando acontecer também é um tiro no pé. Então a criatividade tem que estar no mesmo ritmo em que novas bandas surgem. Isso de fato é bom, pois não tem onde o público alvo reclamar. Mas é uma luta constante pra que você mantenha o seu trabalho em divulgação.

A falta de espaço em eventos se torna algo complicado. Já ouvimos muitos “não” em quase 5 anos. Festivais pequenos, grandes, bares, casas noturnas... Tudo fica muito complicado quando você oferece “som autoral”. Bate um pouco de desânimo ver uma banda cover ou tributo tocar muito mais que a sua de música própria, mas ficar em casa lamentando sobre tudo isso também não dá. Na grande maioria das vezes temos que usar tudo como uma fonte de inspiração e focar no que realmente possa ser de grande serventia pra melhorar.


BD: Como estão as condições em sua cidade em termos de Metal/Rock? Conseguem tocar com regularidade? A estrutura é boa?

Duzinho: A região sempre está em movimento. Eventos não faltam. A MELANIE KLAIN mesmo já fez alguma coisa por aqui em Mococa. Mas não conseguimos manter uma boa sequência de apresentações. MOTIVOS: falta de compreensão de alguns organizadores que não entendem que se temos que viajar, precisamos de recursos pra nos deslocar. Algumas vezes (quase sempre) ouvimos as frases, “vai ser bom pra sua divulgação”, “liberamos a cerveja pra banda”, “ano passado lotou e esse ano vai dar mais gente pra ver o seu trabalho”... Tá certo que precisamos dos palcos pra mostrar nosso som, mas infelizmente não conseguimos tocar por conta de não podermos sair de nossa cidade. O dinheiro é uma base forte em qualquer banda e também pra que se possam fazer eventos de qualidade. No mínimo precisamos nos ouvir e ter segurança nos shows, o que implica na qualidade dos palcos e tudo mais. Não temos um palco de Wacken, mas é o que normalmente sempre falo, tudo depende do interesse de organização, patrocinadores e público pra que essa qualidade física seja boa.


BD: Hoje em dia, muitos gostam de declarar o fim do Metal, já que grandes nomes estão partindo, e outros parando. Mas e vocês, que são uma banda, como encaram esse tipo de comentário?

Duzinho - É difícil bater de frente com o “tradicionalismo” de muitos fãs. E quando isso se torna uma venda e um tampão nos ouvidos, se declara uma guerra. Bandas iniciantes reclamam que não tem espaço, alguns fãs reclamam da qualidade inferior dessas bandas... Acaba virando um circulo vicioso. Metal é tipo o Jason Voorhess. Já tentaram matar ele de tudo que é jeito. Mas ele sempre volta, e volta cada vez mais FODA e puto da cara. É uma comparação meio tosca, mas é assim que funciona. Acredito que deva existir um respeito dos fãs para com as bandas que estão tentando aparecer agora. Ouça, avalie e se existir algo a melhorar, faça uma crítica construtiva.

Isso é bom... Eu sei que vão existir alguns músicos que não conseguirão absorver isso e acabar falando um monte de asneira. Assim também como alguns fãs de Metal que chegam com os dois pés no peito da banda quando não se precisa fazer isso. A base de tudo é o RESPEITO como disse acima.

Nós da MELANIE KLAIN estamos quebrando muitas barreiras. Banda autoral, sem rotulação de estilo, com uma mulher na formação, que canta em português e critica a forma de vida da sociedade. Isso é a receita da desgraça, se for falar a verdade. Pois muitos torcem o nariz pra todos os itens, ou pelo menos pra algum. Mas pensamos que se nós cinco gostamos do nosso som, vão aparecer cinco amigos, com mais cinco amigos, com mais cinco amigos que vão gostar também e assim por diante. Procuramos passar nossa mensagem e fazer Metal. Pra quem quiser ouvir, seja bem-vindo. Pra quem não quiser, paciência.


BD: Em termos de Brasil, o que ainda falta para o cenário dar certo? Qual sua opinião?

Duzinho - Como já falei... CURIOSIDADE DO PÚBLICO EM PROCURAR NOVAS BANDAS. O apoio, incentivo e presença nos eventos e redes sociais são de praxe pra todos. Mas sabemos que essa tal “preguiça” é um veneno. Eu vejo a mídia especializada no Underground Nacional divulgar material novo todo dia. Isso é lindo... Pois mostra a força do nosso cenário e competência dos envolvidos. Se tem público presente, com certeza terão as bandas pra fazer esse pessoal se matar nos “CIRCLE PIT” e balançar a cabeça em casa, no carro, na rua, em qualquer lugar.

Acredito que se esse interesse ficar mais forte, conseguimos expandir ainda mais essa filosofia de “união”. É triste saber que temos uma gama muito grande de bandas, mas ao mesmo tempo não ver essas bandas todas na estrada. Eu sei que é muito difícil viver de música. E mais difícil ainda ter uma qualidade de vida melhor se você já está vivendo do Rock/Metal. O Pompeu do KORZUS disse uma vez, que os artistas desse tal “universitário” POP que domina o mercado musical hoje estão em alta, tem algo em mente que infelizmente a maioria de nós aqui não tem. Isso engloba todo mundo. Bandas, ouvintes, mídia... Que é questão de fazer grana. “Ah Duzinho, deixa de ser mercenário”. A questão nem é ser mercenário... Mas você já parou uma vez pra ver o tamanho da estrutura que os shows desses artistas têm? Tudo bem e certo que é o som da massa, o cara que ouve tá se fudendo se está afinado, se tem conteúdo ou se aquilo transmite uma mensagem positiva. Mas eles se uniram em torno de um objetivo e um vai puxando o outro. Nome disso??? União.

Vende fácil? Vende muito fácil. Mas precisamos dar mais atenção a quem realmente está disposto a fazer algo em prol do estilo. Procurar e divulgar melhor o trabalho de sua banda. Melhorar os pontos fracos e evoluir musicalmente. Parcerias são extremamente necessárias. E termino dizendo aquela frase feita. “Se não vai ajudar, não atrapalhe”.


BD: Deixem sua mensagem final para os leitores.

Duzinho - Esqueçam as diferenças e vamos ficar mais unidos. Focar no trabalho de divulgação. Independente de estilos ou gêneros, o respeito é a base tudo. Nós que movimentamos esse cenário e ele em movimento ninguém segura. Vamos ter paciência com quem está começando e apoiar principalmente. Acredito que todos nós que temos banda, procuramos evoluir em um processo gradativo, mesmo que seja devagar. Desistir não está nos planos, mas precisamos desse apoio de todos.

Muito obrigado a todos vocês que acreditam e nos incentivam. O Rock/Metal é um patrimônio nosso, então vamos cuidar com mais atenção.

Obrigado demais pela oportunidade, Marcão. Vejo seu esforço em ser mais um pilar do Underground Nacional. Obrigado também a Gleison Junior pela divulgação e a todos os evolvidos.

Sempre que precisarem estaremos à disposição.

OUÇAM MELANIE KLAIN SEM MODERAÇÃO.

Grande abraço...


Links para contatos:

Links para audição: