quarta-feira, 6 de setembro de 2017

FORCEPS - Mastering Extinction (Álbum)


2017
Selo: Black Legion Productions, Extreme Sound, Horde of Demons
Nacional

Nota: 9,5/10,0

Tracklist:

1. Atrocities
2. Transdifferentiated Nano-Cells
3. To Become Gods
4. Mastering Extinction
5. Consuming Nociception
6. Self-Imprisoned Singularity
7. Pineal Torture
8. Human Cryptobiosis
9. The Anthropogenic Era
10. Creating Ectogenesis


Banda:


Doug Murdoch - Vocais
Bruno Tavares - Guitarras
Thiago Souza - Baixo
Emmanuel Ivan - Bateria


Contatos:

Assessoria: http://www.blacklegionprod.com/ (Black Legion Productions)


Texto: Marcos “Big Daddy” Garcia


Em termos de Metal extremo, o Brasil sempre foi uma potência, e continua sendo. E pelo que este autor pode perceber, olhando para o nevoento futuro, vai ser por muitos anos, talvez para sempre. Desde que os avanços tecnológicos se fizeram mais acessíveis para todos que tenham conhecimento suficiente para usufruir deles, o cenário brasileiro emparelhou em qualidade com os outros países. E ainda temos a vantagem da latinidade que o brasileiro tem em si, o que dá um toque mais pessoal e diferenciado aos trabalhos gravados aqui. E por isso, o primeiro disco do veterano do Death Metal carioca FORCEPS, chamado “Mastering Extinction”, é tão bom.

Na ativa desde 2006, enfrentando as dificuldades do underground e as mudanças de formação, o grupo mostra-se mais maduro em relação ao EP “Humanicide”, de 2012. As influências de Brutal Death Metal técnico e esporrento à lá SUFFOCATION, ABORTED, CANNIBAL CORPSE e DYING FETUS estão lá na maçaroca sonora do quarteto, mas a identidade deles pulsa feroz e agressiva. Talvez a experiência de abrir para bandas como CANNIBAL CORPSE e outros tenham ajudado o grupo a amadurecer mais e mais, a ponto de criarem algo pessoal, bem trabalhado e agressivo de doer os ouvidos menos acostumados, mas requintado e de muita qualidade. E nem mencionei a torrente de energia que flui desse disco, que é absurda!

A produção de “Mastering Extinction” ficou de alto nível.

Gravado no estúdio Mamute Records, tendo a produção de Doug Murdoch e Emmanuel Ivan, as partes de guitarras e baixo foram gravadas pelos ex-membros Raphael Gabrio e Fernando Alonso. Mas eles souberam escolher timbres fortes e agressivos, e mesmo com a afinação baixa e o nível de brutalidade nas alturas, se consegue compreender sem esforços o que a banda está tocando. Sim, a gravação é bem cuidada e com um insight de limpeza enorme.

A arte gráfica é de Rafael Tavares, dando um corpo às idéias transmitidas pelas letras do grupo. E nota-se certo feeling “Lovecraftiano” na arte, aquela atmosfera de horror que certas capas de discos de Death Metal dos anos 90 causavam nos fãs. Aquele sentimento que faziam com que todos nós quiséssemos ouvir o disco ainda mais.

Sendo mais maduro e conciso que o “Humanicide”, podemos aferir que o FORCEPS galgou mais um degrau na escala evolutiva. Percebe-se que o grupo está mais solto, mais fluído em cada uma das músicas, com os arranjos assentando perfeitamente e tornando aqueles encaixes entre as partes das canções ótimos. Nada é abrupto, desnecessário ou demais, tudo está bem justo. E sem ser conceitual, todos os temas que são abordados nas letras de “Mastering Extinction” falam sobre como a raça humana busca se imortalizar a qualquer preço, mas quão vazia é esta busca.

Embora não seja um disco trivial, gostar de “Mastering Extinction” é simples. E em suas 10 canções evidenciam como é importante para o quarteto manter uma solidez absurda. Em “Atrocities” e “Transdifferentiated Nano-Cells”, a técnica e peso da base rítmica sustentam uma saraivada insana de riffs intensos, sempre com boas mudanças de ritmo e vocais guturais à lá Frank Mullen. “To Become Gods” é uma sinistra narrativa que antecede a curta e explosiva “Mastering Extinction”, que como toda faixa-título tem uma responsabilidade enorme, que ela supera graças às boas passagens rítmicas e linhas harmônicas dos vocais (que assentam bem sobre a base instrumental). Esses mesmos elementos de brutalidade e técnica recheiam “Consuming Nociception” e “Self-Imprisoned Singularity”, onde baixo e bateria exibem uma técnica excelente pelo festival de variações de ritmo (mas sem perder o peso e a coesão instrumental). Um pouco mais veloz que as anteriores, sempre com um show da base rítmica, “Pineal Torture” chega com uma estruturação um pouquinho mais voltada ao Death Metal clássico. Também um pouco mais voltada ao Brutal Death Metal norte-americano dos anos 90 é “Human Cryptobiosis”, que devido à duração de pouco mais de 5 minutos, está recheada de boas passagens mais técnicas, e um trabalho complexo de guitarras e baixo. Feita com efeitos sinistros, “The Anthropogenic Era” é outra introdução que visa aclimatar o ouvinte para “Creating Ectogenesis”, uma torrente de energia azeda e bem feita, com vocais urrados com boa dicção e toda uma estruturação harmônica bem trabalhada, mas simples de assimilar.

Desta forma, o FORCEPS escreve mais uma página em sua história de forma salutar. E ouvir “Mastering Extinction” é uma obrigatoriedade para fãs de Metal extremo.

Ah, sim: após as gravações de “Mastering Extinction”, a banda recebeu em sua formação Thiago Souza para o baixo (que também toca no DEMOLISHMENT e no ENGINES OF TORTURE) e Bruno Tavares para as guitarras (que também é do DEMOLISHMENT e do VORGOK).